Início > Exercícios > Lendo
Mesopotâmia

Assim como a maioria dos povos da Antiguidade, os mesopotâmicos eram politeístas. Na Mesopotâmia, um incontável panteão de deuses e semideuses fazia parte da religião.

Apesar de a mitologia mesopotâmica ser ampla e complexa, seus deuses se organizavam em uma hierarquia clara, de acordo com a influência de seu poder. Os mais importantes eram: An (deus do céu), Enlil (deus do ar), Enki (deus da água) e Ninhursag (mãe-terra). Foram eles que, através de suas palavras, teriam criado o mundo. Desse mito talvez tenha nascido a crença no poder das palavras divinas. Os zigurates.

Além disso, cada cidade-Estado tinha seu deus protetor, que era honrado pelo rei do local e pelos mais importantes sacerdotes. Um tempo em forma de pirâmide de degraus, o zigurate, era construído para servir como sua morada. O mais famoso zigurate foi construído para o deus Marduk, localizava-se na Babilônia e também é conhecido por Torre de Babel.

 

QUESTÕES PROPOSTAS

1. O texto faz referência aos zigurates. Qual a origem desse mito?

Ver resposta
Resposta: Apesar de a mitologia mesopotâmica ser ampla e complexa, seus deuses se organizavam em uma hierarquia clara, de acordo com a influência de seu poder. Os mais importantes eram: An (deus do céu), Enlil (deus do ar), Enki (deus da água0 e Ninhursag (mãe-terra). Foram eles que, através de suas palavras, teriam criado o mundo. Desse mito talvez tenha nascido a crença no poder das palavras divinas. Os zigurates.

 

2. O que eram essas construções (zigurates)?

Ver resposta
Resposta: Além disso, cada cidade-Estado tinha seu deus protetor, que era honrado pelo rei do local e pelos mais importantes sacerdotes. Um tempo em forma de pirâmide de degraus.

 

3.Qual era a utilização dos zigurates para os povos mesopotâmicos?

Ver resposta
Resposta: O zigurate, era construído para servir como morada para o deus protetor de cada cidade-Estado. O mais famoso zigurate foi construído para o deus Marduk, localizava-se na Babilônia e também é conhecido por Torre de Babel.

 

.
Tancredo Professor . 2017
Anuncie neste site
Twitter