Início > Enem > Lendo
Enem 2015. Ciências humanas e suas tecnologias... (4ª parte)

QUESTÃO 31

 

Essas imagens de D. Pedro II foram feitas no início dos anos de 1850, pouco mais de uma década após o Golpe da Maioridade. Considerado o contexto histórico em que foram produzidas e os elementos simbólicos destacados, essas imagens representavam um

A. jovem imaturo que agiria de forma irresponsável.

B. imperador adulto que governaria segundo as leis.

C. líder guerreiro que comandaria as vitórias militares.

D. soberano religioso que acataria a autoridade papal.

E. monarca absolutista que exerceria seu autoritarismo.

Ver resposta
Resposta: Letra B. As imagens em questão, que apresentam D. Pedro II como monarca do Brasil em 1850, mostram um governante maduro e equilibrado, ciente de sua posição. Podemos observar, inclusive, a presença da Constituição em uma delas, o que indicaria o seu compromisso com as leis.

 

QUESTÃO 32

   No início foram as cidades. O intelectual da Idade Média - no Ocidente - nasceu com elas. Foi com o desenvolvimento urbano ligado às funções comercial e industrial - digamos modestamente artesanal - que ele apareceu, como um desses homens de ofício que se instalavam nas cidades nas quais se impôs a divisão do trabalho. Um homem cujo ofício é escrever ou ensinar, e de preferência as duas coisas a um só tempo, um homem que, profissionalmente, tem uma atividade de professor e erudito, em resumo, um intelectual - esse homem só aparecerá com as cidades.

LE GOFF, J. Os intelectuais na Idade Média. Rio de Janeiro: José Olympio, 2010.

O surgimento da categoria mencionada no período em destaque no texto evidencia o (a)

A. apoio dado pela Igreja ao trabalho abstrato.

B. relação entre desenvolvimento urbano e divisão do trabalho.

C. importância organizacional das corporações de ofício.

D. progressiva expansão da educação escolar.

E. acúmulo de trabalho dos professores e eruditos.

Ver resposta
Resposta: Letra B. O período do renascimento. na Europa Ocidental, chamado assim em virtude de um novo impulso comercial e urbano no período, demonstra modificações nas estruturas medievais, uma vez que, nas cidades, a vida se mostrava mais dinâmica.

 

QUESTÃO 33

 

De acordo com as figuras, a intensidade de intemperismo de grau muito fraco é característica de qual tipo climático?

A. Tropical.

B. Litorãneo.

C. Equatorial.

D. Semiárido.

E. Subtropical.

Ver resposta
Resposta: Letra D. Questão clássica sobre clima, envolvendo análise de gráfico. O gráfico informa pluviosidade, temperatura e distribuição do intemperismo. A região que possui intemperismo mais fraco é o semiárido, pois apresenta menor índice pluviométrico entre as regiões brasileiras.

 

QUESTÃO 34

   Algumas regiões do Brasil passam por uma crise de água por causa da seca. Mas, uma região de Minas Gerais está enfrentando a falta de água no campo tanto em tempo de chuva como na seca. As veredas estão secando no norte e no noroeste mineiro. Ano após ano, elas vêm perdendo a capacidade de ser caixa-d' água de grande sertão de Minas.

VIEIRA, C. Degradação do solo causa perda de fontes de água de famílias de MG.

Disponível em: http://g1.globo.com. Acesso em: 1 nov. 2014.

As veredas têm um papel fundamental no equilíbrio hidrológico dos cursos de água no ambiente do Cerrado, pois

A. colaboram para a formação de vegetação xerófila.

B. formam os leques aluviais nas planícies das bacias.

C. fornecem sumidouro para as águas de recarga da bacia.

D. contribuem para o aprofundamento dos talvegues à jusante.

E. constituem um sistema represador da água na chapada.

Ver resposta
Resposta: Letra E. O sistema de veredas é um ecossistema que compõe o Domínio de Cerrados, numa definição mais strito sensu. Pela abordagem da questão, há referência ao Domínio das Caatingas. No texto, as veredas podem ser comparadas à "caixa d'água do sertão", por causa da sua capacidade de retenção de água, uma vez que se trata de um sistema que se desenvolve em solo encharcado.

 

QUESTÃO 35

   Tanto potencial poderia ter ficado pelo caminho, se não fosse o reforço em tecnologia que um gaúcho buscou. Há pouco mais de oito anos, ele usava o bico da botina para cavoucar a terra e descobrir o nível de umidade do solo, na tentativa de saber o momento ideal para acionar os pivôs de irrigação. Até que conheceu uma estação meteorológica que, instalada na propriedade, ajuda a determinar a quantidade de água de que a planta necessita. Assim, quando inicia um plantio, o agricultor já entra no site do sistema e cadastra a área, o pivô, a cultura, o sistem de plantio, o espaçamento entre linhas e o número de plantas, para então receber recomendações diretamente dos técnicos da universidade.

CAETANO. M. O valor de cada gota. Globo Rural, n. 312, out. 2011.

A implementação das tecnologias mencionadas no texto garante o avanço do processo de

A. monitoramento da produção.

B. valorização do preço da terra.

C. correção dos fatores climáticos.

D. divisão de tarefas na propriedade.

E. estabilização da fertilidade do solo.

Ver resposta
Resposta: Letra A. A questão envolve o conhecimento sobre os equipamentos técnicos utilizados em uma cultura agrícola mecanizada e as suas implicações no controle, monitoramento e aumento da produtividade agrícola em áreas com baixa fertilidade natural ou com carência hídrica.

 

QUESTÃO 36

   A filosofia grega parece começar com uma ideia absurda, com a proposição: a água é a origem e a matriz de todas as coisas. Será mesmo necessário deter-nos nela e levá-la a sério? Sim, e por três razões: em primeiro lugar, porque essa proposição enuncia algo sobre a origem das coisas; em segundo lugar, porque o faz sem imagem e fabulação; e enfim, em terceiro lugar, porque nela, embora apenas em estado de crisálida, está contido o pensamento: Tudo é um.

NIETZSCHE, F. Crítica moderna. In: Os pré-socráticos. São Paulo: Nova Cultura, 1999.

O que, de acordo com Nietzsche, caracteriza o surgimento da filosofia entre os gregos?

A. O impulso para transformar, mediante justificativas, os elementos sensíveis em verdades racionais.

B. O desejo de explicar, usando metáforas, a origem dos seres e das coisas.

C. A necessidade de buscar, de forma racional, a causa primeira das coisas existentes.

D. A ambição de expor, de maneira metódica, as diferenças entre as coisas.

E. A tentativa de justificar, a partir de elementos empíricos, o que existe no real.

Ver resposta
Resposta: Letra C. A questão evoca o pensamento pré-socrático em sua abordagem da busca de um princípio único, causador de toda a complexidade da ordem atual das coisas - ou seja, a busca da compreensão de como surgiu a totalidade do real. Põe atenção especial, ainda, numa explicação que foge ao fantástico, ao sobrenatural, e estabelece um postulado racional e material como causa primeira de tudo o que existe. A questão traz, também, a necessidade de relacionar o filósofo alemão Nietzsche e seus estudos ao conhecimento da filosofia pré-socrática.

 

QUESTÃO 37

   Quanto ao "choque de civilizações", é bom lembrar a carta de uma menina americana de sete anos cujo pai era piloto na Guerra do Afeganistão: ela escreveu que - embora amasse muito seu pai - estava pronta a deixá-lo morrer, a sacrificá-lo por seu país. Quando o presidente Bush citou suas palavras, elas foram entendidas como manifestação "normal" de patriotismo americano; vamos conduzir uma experiência mental simples e imaginar uma menina árabe maometana pateticamente lendo para as câmeras as mesmas palavras a respeito do pai que lutava pelo Talibã - não é necessário pensar muito sobre qual teria sido a nossa reação.

ZIZEK, S. Bem-vindo ao deserto do real. São Paulo: Bom Tempo, 2003.

A situação imaginária proposta pelo autor explica o desafio cultural do(a)

A. prática da diplomacia.

B. exercício da alteridade.

C. expansão da democracia.

D. universalização do progresso.

E. conquista da autodeterminação.

Ver resposta
Resposta: Letra B. O texto da questão leva a supor que o pai da menina era um combatente talibã. Nessa comparação, o autor propõe uma reflexão ao nos colocar no lugar dessa criança, ou seja, um exercício de alteridade.

 

QUESTÃO 38

   Ninguém nasce mulher: torna-se mulher. Nenhum destino biológico, psíquico, econômico define a forma que a fêmea humana assume no seio da sociedade; é o conjunto da civilização que elabora esse produto intermediário entre o macho e o castrado que qualificam o feminino.

BEAUVOIR, S. O segundo sexo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

Na década de 1960, a proposição de Simone de Beauvoir contribuiu para estruturar um movimento social que teve como marca o(a)

A. ação do Poder Judiciário para criminalizar a violência sexual.

B. pressão do Poder Legislativo para impedir a dupla jornada de trabalho.

C. organização de protestos públicos para garantir a igualdade de gênero.

D. oposição de grupos religiosos para impedir os casamentos homoafetivos.

E. estabelecimento de políticas governamentais para promover ações afirmativas.

Ver resposta
Resposta: Letra C. No fim da década de 1960, ocorre a segunda onda do movimento feminista, desnaturalizando a categoria "mulher" como algo estritamente ligado ao aspecto biológico e reivindicando igualdade entre os gêneros, tendo como sua principal pensadora a filósofa francesa Simone de Beauvoir. Vários movimentos sociais vêm à tona em diversas partes do mundo no fim dos anos 1960, entre eles o movimento feminista, que questiona a origem das desigualdades de gênero. Para Beauvoir (autora da frase "ninguém nasce mulher, torna-se mulher"), essas desigualdades são socialmente construídas a partir dos significados atribuídos, por exemplo, às mulheres.

 

QUESTÃO 39

   Só num sentido muito restrito, o indivíduo cria com seus próprios recursos o modo de falar e de pensar que lhe são atribuídos. Fala o idioma de seu grupo; pensa à maneira de seu grupo. Encontra a sua disposição apenas determinadas palavras e significados. Estas não só determinam, em grau considerável, as vias de acesso mental ao mundo circundante, mas também mostram, ao mesmo tempo, sob que ângulo e em que contexto de atividade os objetos foram até agora perceptíveis ao grupo ou ao indivíduo.

MANNHEIM, K. Ideologia e utopia. Porto Alegre: Globo, 1950 (adaptado)

Ilustrando uma proposição básica da sociologia do conhecimento, o argumento de Karl Mannheim defende que o(a)

A. conhecimento sobre a realidade é condicionado socialmente.

B. submissão ao grupo manipula o conhecimento do mundo.

C. divergência é um privilégio de indivíduos excepcionais.

D. educação formal determina o conhecimento do idioma.

E. domínio das línguas universaliza o conhecimento.

Ver resposta
Resposta: Letra A. o resgate do sociólogo Karl Mannheim, nem sempre presente em provas como o Enem, pode parecer um elemento surpresa para o candidato. A questão, entretanto, não tem resolução muito complexa, pois, ao lermos o texto com atenção, vemos que nele é lembrado que o referido autor é marcado por seu trabalho em Sociologia do Conhecimento, o que torna a resolução tranquila. o que surpreende positivamente nessa questão é a lembrança desse importante sociólogo alemão e o fato de que, juntamente com outras questões, marca-se definitivamente a presença da sociologia na prova do Enem.

 

QUESTÃO 40

   A Unesco condenou a destruição da antiga capital assíria de Nimrod, no Iraque, pelo Estado Islâmico, com a agência da ONU considerando o ato como um crime de guerra. O grupo iniciou um processo de demolição em vários sítios arqueológicos em uma área reconhecida como um dos berços da civilização.

Unesco e especialistas condenam destruição de cidade assíria pelo Estado Islâmico. Disponível em: http://oglobo.globo.com. Acesso: em 30 mar. 2015 (adaptado).

O tipo de atentado descrito no texto tem como consequência para as populações de países como o Iraque a desestruturação do(a)

A. homogeneidade cultural.

B. patrimônio histórico.

C. controle ocidental.

D. unidade étnica

E. religião oficial.

Ver resposta
Resposta: Letra B. Considerado berço da civilização ocidental, a região que compreende o Crescente Fértil, incluindo a bacia do rios Tigre e Eufrates, guarda um importante patrimônio histórico, reconhecido pela Unesco. O atentado mencionado no texto representa a desestruturação desse patrimônio cultural para as próximas gerações.
Tancredo Professor . 2017
Anuncie neste site
Twitter