Início > Conteúdos > Lendo
CONSTRUÇÃO DO ESPAÇO MUNDIAL

Para a Geografia, entender como se deu a construção do espaço mundial atual é muito importante, pois facilita a compreensão das ações que afetam diretamente o espaço geográfico. Particularmente no Brasil, o que vivemos hoje é o resultado de um período de colonização e exploração de recursos naturais. Ao enxergamos o mundo, vemos grandes desigualdades entre países: países desenvolvidos e com tecnologia de ponta, e países subdesenvolvidos ou em desenvolvimento, que se sustentam com a exportação de matéria prima.

Esta forma como o mundo é organizado, que chamamos de Divisão Internacional do Trabalho, é fruto de conquistas feitas por países europeus. Por isso nós passamos muito tempo estudando a estruturação e organização da Europa, pois foi ela que ditou, a princípio, os moldes mundiais atuais. Muito desta dominação se deu por fundamentos que eram difundidos na época.

Adam Smith, por exemplo, foi um economista inglês muito famoso e que viveu no século XVIII. Para ele, de modo geral, a riqueza de uma nação é determinada pela condição climática. Ou seja, para ele países mais frios são mais ricos e países mais pobres são mais quentes. Naquela época, ele usou deste argumento para confirmar a necessidade de exploração de lugares quentes (eles não vão se desenvolver mesmo né!?). E muitas pessoas acreditam nisso até hoje. Porém, isto é uma grande mentira.

Iremos ver ao longo deste texto que o combustível para a exploração e colonização mundial pelos europeus se deu com o sistema econômico atual, o Capitalismo. Graças ao seu desenvolvimento e demandas, nações europeias tiveram a necessidade de buscar outros locais do planeta, tanto para comercializar, quanto para explorar. A partir de agora, nós iremos desenvolver a ideia de processo de desenvolvimento do capitalismo como combustível para a expansão europeia no mundo e que moldou a desigualdade entre países.

 

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DO CAPITALISMO

O capitalismo é um modo de produção econômico, ou seja, é a forma com que a economia se desenvolve. Ele começou a se formar por volta do século XVI, mas foi estruturalmente caracterizado por Karl Marx e Friedrich Engels no século XVIII, no auge da Revolução Industrial, na Inglaterra. É o sistema econômico padrão da sociedade ocidental.

Pela obra de Marx e Engels, o Capitalismo funcionaria da seguinte maneira (grosso modo):

. a sociedade se dividiria em: dono dos meios de produção (capitalista/burguês) e proletário (trabalhador/operário/dono da força de trabalho);

. o dono dos meios de produção seria o detentor do dinheiro (capital). Quanto mais ele produzia sua mercadoria, mais ele lucrava com isso. Ao contrário do capitalista, os trabalhadores vendiam sua força de trabalho para ter dinheiro, entretanto ganhavam pouco dinheiro. O lucro, ou excedente, ficava nas mãos do dono capitalista.

. para que o capitalista ganhasse cada vez mais dinheiro, era necessário vender cada vez mais.

Esta estrutura vigora em todas as etapas de capitalismo existentes, desde a comercial (nos primórdios do sistema) até o informacional (mais recente).

Podemos entender como características básicas do Capitalismo¹:

. Estrutura de propriedade: no capitalismo predomina a propriedade privada, pois a maioria dos meios de produção pertencem a agentes econômicos privados (em muitos países o Estado também é dono de muitos meios de produção - empresas estatais);

. Objetivo: o objetivo do capitalismo é a busca por lucro, ou seja, a reprodução do dinheiro.

. Mecanismo de funcionamento da economia: no capitalismo, o funcionamento se dá pela lei da oferta e da procura, ou seja, seus investimentos buscam obter maior rentabilidade e o setor econômico que estiver com maior procura normalmente é onde há maior investimento dos capitalistas, uma vez que tendo maior procura há maior ganho de dinheiro.

. Relação de trabalho: predomina o trabalho assalariado, juntamente com outras relações não capitalistas, como arrendamentos em áreas rurais e relações ilegais como escravidão.

. Meios de troca: no capitalismo, o principal meio de troca é o dinheiro (moeda ou papel-moeda); cheques; cartões (crédito e débito);

. Relação social: no capitalismo há uma divisão de classes, onde o dinheiro é concentrado nas mãos das classes donas dos meios de produção. Isto caracteriza o Capitalismo como um sistema econômico desigual para a sociedade.

Atualmente, nós podemos perceber que o sistema capitalista é bem heterogêneo na forma de ganhar dinheiro, ou lucro: através de comércio, das indústrias, dos bancos, da ciência e da informação. Estas são etapas evolutivas do sistema, entretanto, o capitalismo evoluiu aos poucos e demorou cerca de 500 anos para chegar ao patamar atual. por isso, torna-se importante entender o processo de desenvolvimento do capitalismo ao longo destes anos e identificar as principais causas e características das evoluções adquiridas.

Abaixo, segue uma tabela baseada no livro de Geografia Geral e do Brasil - volume dois (Editora Scipione) dos professores Eustáquio de Sene e João Carlos Moreira, com as principais características de cada etapa (ou fase) do Capitalismo até hoje.

                                

Etapas

Capitalismo

Comercial

Mercantilismo

Industrial

Liberalismo

Financeiro

Keynesianismo

Informacional

Neoliberalismo

 

Causas

Intensificação do comércio e

surgimento do capitalismo.

Países da Europa procuravam por novos mercados fornecedores de matéria-prima.

Grande a acumulação de dinheiro pelos comerciantes burgueses.

Mecanização de processos provenientes do artesanato para a maior produção de mercadorias e maior ganho de dinheiro.

A grande acumulação de riquezas provenientes da produção industrial desenvolveu a necessidade de criar bancos para gerenciar o dinheiro das grandes indústrias.

Avanços tecnológicos impulsionaram a produção industrial e o sistema financeiro.

Pós segunda Guerra e Guerra Fria trouxeram uma herança tecnológica, na qual necessita de conhecimento (ciência) para a produção de "mercadorias".

Doutrina

Estados Nacionais absolutistas.

Intervenção do Estado na economia.

Protecionismo.

Objetivos: fortalecer o Estado e aumentar a riqueza nacional via acúmulo de metais preciosos.

A riqueza vinha do comércio.

Defendia o direito à propriedade, a livre iniciativa e a concorrência.

Contra a intervenção estatal.

Riqueza proveniente da Indústria (produção).

Intervenção estatal para evitar crises.

Aumento dos gastos públicos para estimular o crescimento econômico.

Intervenção Mínima do estado para assegurar a estabilidade monetária e a livre concorrência.

Abertura econômica e privatização de estatais.

Potências Espanha, Portugal, Inglaterra, Países baixos e França. Grã-Bretanha, EUA, França, Alemanha, Japão. EUA, Alemanha e Japão. EUA, Japão e economias Europeias.

Fatos

Marcantes

1494 - Tratado de Tordesilhas.

Crescimento dos burgos.

15-- Grandes Navegações à América (partilha e exploração) e à Ásia (comércio).

1600 - mundialização do comércio.

Trabalho escravo na América.

Acumulação primitiva de capitais na Europa.

1700 - Revolução Gloriosa.

1750 - ocupação da África pelos europeus.

1765 - máquina a vapor (Inglaterra).

Primeira Revolução Industrial: carvão, indústrias têxtil, siderúrgica e naval.

Trabalho assalariado.

1776 - Independência dos EUA.

1850 - Imperialismo: partilha e exploração de colônias africanas e asiáticas.

1900 - Segunda Revolução Industrial: petróleo e eletricidade, indústrias petroquímica, elétrica e automobilística, expansão mundial do processo de industrialização, monopólios e oligopólios.

1886 - 1º carro a motor.

1914-18 - Primeira guerra Mundial.

1929 - crise Econômica Mundial.

1939-45 - segunda guerra Mundial.

Globalização de capitais produtivos e especulativos.

Terceira Revolução Industrial ou revolução técnico-científica: ampliação do meio técnico científico informacional, indústrias de informática, robótica, telecomunicações e biotecnologia.

Industrialização de países em desenvolvimento.

Expansão de multinacionais.

1980-90: crises financeiras em diversos países.

1999 - criação do G-20

2008 - Crise financeira mundial (neoliberalismo em cheque).

 

CARACTERÍSTICAS E CONCEITOS IMPORTANTES PARA CADA FASE

1) Capitalismo Comercial

. Mercantilismo: doutrina econômica que pregava a intervenção governamental na economia, com o objetivo de aumentar o poder do Estado.

. Metalismo: a riqueza e poder de um país, ou nação, eram medidos pela quantidade de metais preciosos que possuíam.

. Acumulação Primitiva de capital: a fase do capitalismo comercial foi designada por Marx como uma fase de grande acumulação de riquezas da burguesia europeia através da exploração de colônias (América).

2) Capitalismo Industrial

. Revolução Industrial: o primeiro período aconteceu no Reino Unido e o segundo nos Estados Unidos. É caracterizada como uma fase em que a transformação da natureza em produtos e mercadorias cresceu vertiginosamente através do uso de máquinas, que na época eram equivalentes a força de trabalho de vários homens. A diferença entre as duas revoluções foi o combustível utilizado e o crescimento do processo de produção.

. Regime Assalariado: nesta fase, os trabalhadores que iam trabalhar nas fábricas e indústrias eram pagos com um salário. O trabalho assalariado é uma relação de trabalho tipicamente capitalista.

. Liberalismo: doutrina econômica que surgiu nesta fase e que tinha como objetivo a não intervenção do Estado na economia, o que parecia ser um empecilho. A regra seria a livre concorrência.

. Imperialismo: nesta fase, com o brutal crescimento da produção, devido às máquinas, era cada vez maior a necessidade de buscar novas fontes de matérias-primas. Desta forma, começou-se a explorar outros locais além da América. Esta expansão aconteceu na África e na Ásia.

. Divisão Internacional do trabalho: depois da expansão imperialista e partilha das áreas colonizadas da África e da Ásia, além da continuação da exploração, mesmo que menor, na América Central e do Sul, o mundo foi dividido em países industrializados e ricos e países pobres, colonizados e que exportavam matéria-prima. Esta divisão ficou conhecida como DIT - Divisão Internacional do Trabalho.

3) Capitalismo Financeiro

. Primeira Guerra Mundial: este seria o marco para a chegada da nova fase do capitalismo. Na guerra, grandes empresas lucraram muito e aumentaram suas influências no planeta. Como exemplo podemos citar indústrias bélicas que levaram para os Estados Unidos prosperidade. Com o crescimento das empresas houve um processo de concentração de capitais e o aumento da concorrência.

. Monopólios e Oligopólios: o aumento da concorrência favoreceu a fusões e incorporações de grandes empresas. Monopólio seria uma situação em que uma única empresa domina determinado produto ou serviço e, assim, esta empresa determina o valor do produto (muitas vezes altíssimos). Já o oligopólio seria um conjunto de empresas que dominam determinado produto ou setor de mercado, determinado valores abusivos e eliminando qualquer concorrência.

. Crise de 1929: primeira crise do capitalismo que ocorreu de forma global. Foi causada pelo excesso de produção industrial e agrícola, pois a maioria dos trabalhadores não podiam comprar tais produtos por serem mais caros e seus salários não serem suficientes. Foi essa crise que acabou com que nós conhecemos como liberalismo. Foi necessário uma intervenção estatal para que a economia se estabilizasse novamente.

. Keynesianismo: política de intervenção estatal em uma economia tipicamente liberal. A partir dela, começou-se a difundir o Wellfare state e o Estado começou a regular a economia através de leis.

.Trustes: grandes grupos de empresas que dominam um setor da economia, desde a retirada de matéria-prima até a distribuição da mercadoria.

. Cartel: trustes que fazem acordos entre si estabelecendo um preço comum e inviabilizando a livre concorrência.

4) Capitalismo Informacional

. Terceira revolução industrial: começou a se concretizar após a segunda guerra mundial onde empresas tecnológicas começaram a disseminar produtos provenientes de conhecimento científico.

. Teor informacional: o capitalismo começou a se difundir com mão de obra cada vez mais qualificada, o que mostrou, e mostra até hoje, a importância da ciência e do conhecimento no mercado.

. Parques Tecnológicos: empresas de alta tecnologia agregadas às pesquisas de grandes universidades. Nestes parques, há grande concentração de indústrias na área de informática, telecomunicações, robótica, etc.

. Globalização: podemos entender esta fase como a disseminação do capitalismo em nível global, porém desigual, na medida em que regiões com maior poder de compra são mais globalizadas.

. Neoliberalismo: nova doutrina econômica que surgiu nesta fase, por volta da década de 80, onde buscou-se a intervenção mínima do Estado na Economia. A sua diferença com o liberalismo clássico se dá na medida em que o neoliberalismo não retira totalmente a intervenção do estado, onde este atuaria em medidas de proteção a serviços coletivos, como saúde, educação e segurança.

. Crises financeiras: nesta fase ocorreram várias crises financeiras, sendo a última em 2008. Isto mostra que a crise pode afetar a doutrina neoliberalista, gerando dúvidas quanto a sua efetividade.

 

REFERÊNCIAS

SENE, E.; MOREIRA, J. C. Geografia Geral e do Brasil: espaço geográfico e Globalização, volume único. São Paulo, Scipione, 1998.

SENE, E.; MOREIRA, J. C. Geografia Geral e do Brasil: espaço geográfico e globalização, volume 2. São Paulo, Scipione, 2014.

 

Clique aqui para a resolução de EXERCÍCIOS.

 

 

 

- GUALTIERI, Marcelle. Bacharel e Licenciada pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Graduanda de Física pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Especialista em Análise Ambiental pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Mestre em Geografia pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Professora da rede estadual de ensino de Minas Gerais. Consultora Ambiental - Geoprocessamento.

Tancredo Professor . 2017
Anuncie neste site
Twitter